Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Uso eficiente de energia das preguiças pode ajudar humanos

Mäyjo, 19.09.13

Uso eficiente de energia das preguiças pode ajudar humanos

 

As preguiças têm uma estratégia de sobrevivência excepcional, consumindo o mínimo de energia possível. E, na verdade, são animais que se podem revelar num excelente modelo para os seres humanos. Saiba como, de acordo com o Inhabitat.

Adaptação ao meio

As preguiças são animais que passam toda a sua vida no cimo das árvores. Na verdade, elas nem conseguem ficar de pé no chão, porque as suas mãos e os seus pés são cabides. O corpo das preguiças foi concebido para uma única posição: ficar de cabeça para baixo, pendurado num ramo de árvore horizontal. É por isso que elas resistem a forças de tensão e não de compressão.

A preguiça alimenta-se de folhas, que são abundantes e fáceis de encontrar, mas difíceis de digerir e fonte de pouca energia e nutrição. A solução que dispõe é um estômago de digestão lenta, com múltiplos compartimentos, à semelhança do da vaca, repleto de bactérias digestivas.

Além de um metabolismo lento, as preguiças têm uma temperatura corporal mais baixa do que a maioria dos mamíferos. Na verdade, mesmo vivendo em florestas tropicais húmidas e quentes, elas têm de trabalhar para se manterem aquecidas – apanham o máximo de sol possível, dormem enroladas para conservarem o calor e abrigam-se num casaco de pele denso.

Viver em colaboração

A preguiça usa uma outra estratégia de poupança de energia brilhante: a colaboração. Existe todo um ecossistema na sua pele que abriga borboletas, besouros, baratas, fungos e até algas. Já aconteceu serem encontrados 950 besouros numa única preguiça. Todas estas criaturas trabalham em conjunto, trocando nutrientes, energia e alojamento gratuito.

Cada pêlo da preguiça tem uma ranhura especial que absorve água, como uma esponja – e certas algas adoram isso. Elas multiplicam-se na época das chuvas, dando à preguiça um tom esverdeado e camuflando-a de predadores. Lambendo essas algas, a preguiça consegue ainda obter uma fonte de nutrientes adicional, ao mesmo tempo que a pele também os absorve. As algas são passadas da progenitora para a cria, sendo que cada espécie de algas só pode ser encontrada numa única população de preguiças.

A maioria dos organismos vivos que vivem em simbiose com as preguiças tem vindo a evoluir ao mesmo tempo que elas, durante 20 milhões de anos. A borboleta da preguiça, por exemplo, só deposita os seus ovos nos excrementos deste animal – e de nenhum outro.

Quando os organismos cooperam uns com os outros, todos ganham. Este é um bom ensinamento que este mamífero nos deixa e que pode ser introduzido no ecossistema industrial humano, por exemplo. O lixo de umas espécies pode ser o alimento de outras, ajudando a reduzir o uso de matérias-primas, a poluição e os resíduos.

Foto: Sob licença Creative Commons


in: Green Savers